quinta-feira, 11 de outubro de 2007

MORRAS À NOMENCLATURA DOS DE HOJE!!!

Coisas remexidas, coisas viradas, coisas perdidas, coisas desencontradas.

Coisas coisadas por toda a casa.
Coisas descoisadas, cá dentro em mim.
Quisera falar de muitas coisas - coisas abafadas - por coisas outras,
pedrificadas.

Coisas guardadas, amareladas, revoltas no entulho - coisas não superadas.
Coisas do meu viver, coisas coisINDA, pra não morrer...

Coisas de se dizer, coisas de emudecer.

Coisas coisando em mim, bulindo n'alma, catando coisinhas de velhas
coisas, que tenho cá.

Coisas pelas quais silencio, e coisas pelas quais falo - coisado...
Coisas nas quais não penso, e coisas que me fazem pensar.

Amo coisas assim, INDEFINÍVEIS.
-Indefinidas?
-Deixe estar...

COISA é genérico e amplo, tanto que me possibilita flexioná-la nos gêneros,
formas e tempos que me convier.

Coisei dessa forma por não poder FALAR de coisas, simulando, de retratáveis coisas falar...

Vivi coisas.
Por coisas outras, quase morri.
De algumas fugi, em quase todas sobreviví...

As coisas vividas, são coisas de ontem que se coisificam na
coisa presa que tenho aqui.

Pequenas coisas, de trato irrelevante, de atenção miúda e simulada
discrição que me causam coisas outras num coisar inquietante por
coisas incoisáveis...

São muitas coisas num Mundo coisado demais para coisantes assustados.

De grandes coisas quero falar, quiçá as pequenas me permitirem.
-Alguma coisa, Senhor?
Perguntou-me uma jovem desapercebida das coisas incoisadas.
Responder-lhe-ia de pronto:
-Sim, muitas coisas incoisáveis por cá.

Mas lhe quis ter em minhas coisas mais protegidas das coisas que
convenciono descoisificar em mim.

E é assim que as coisas são, o são sem precisar sê-lo, sem os definições
que lhes tolhem a essência.

O nome das coisas só causam coisas mais, em gente coisada com tudo.

- "Alguma coisa anda errado."
Pensei sem que coisas me atassem o pensamento;
pensar em coisas não é pensar coisas.

No pensamento as coisas coisadas estão, como que em prateleiras,
sobrepostas às outras coisas, também decodificadas e coisadas
pelo senso comum que tem como arbítrio coisificar as coisas
descoisificadas e de valor ignorado...

E se cresce ouvindo:
"Cuide de suas coisas."
"Esconda essa coisa."
"Que coisa feia!"
"Que coisa linda!"
"Que coisa estranha!"
"Ele coisou com ela."

E nos coisaram as idéias por temerem não nomenclaturar os sentimentos que lhes assustam.

"Deixe de coisa!!!"
-Diz-se de quem insiste em algo ou de quem não está encoisado nas coisas coisadas pelos coisantes.


Marcilon Oliveira.
Aos descoisificadores do simples por outros desfocado...

4 comentários:

Nercy Luiza disse...

Querido, amei o texto das coisas coisificadas, descoisificadas... que ao final, coisam tudo, coisam nada. Quando descobrimos que nem coisa somos a coisa muda.

Você tocou meu coração letrado.

Lindo texto, meu "Lispector"


Beijos azuis encantados

Walmir disse...

Todo vivente é cheio de coisa, não é? Tem vez que tanto se enche que ele próprio vira em coisa que não sabe.
Paz e bom humor
Walmir
http://walmir.carvalho.zip.net

Marcilon Oliveira disse...

Nossa, Nercy!!!

Você gostou mesmo?
Beijo!


Amo-te.
Minha Lispector... ^^

Marcilon Oliveira disse...

Somos COISAS coisadas, Caro Walmir!

Abraço! ^^