sexta-feira, 30 de janeiro de 2009

UMA LUTA QUE NÃO ACABA PORQUE É DE TODOS.

Uma missa.

Nas mentes presentes, um pensamento comum: é revoltante quando
se tem uma vida ceifada sem que seja assegurado à vítima, um direito
último de defender-se, intelectual ou mesmo fisicamente.
Há, decerto, bem mais que brutalidade pelas redondezas deste Nordeste, há covardia.
A violência, gratuita, ou sob aparência de, perturba por não reconhecer
o valor de quem o tem.
E os valores minados estão minando nossa crença no crer.
Ouvi o branido revoltado de muitos, aplaudi alguns, pranteei com outros,
mas, um senso comum ecoou: foi-se alguém que, sonhando com justiça,
foi arrancado dos seus injusta e covardemente.

Oradores calorosos, representantes legítimos do discurso das massas;
legitimados pelo voto; apoiados pela crença naquilo que se tem de melhor
em dia de luto: o discurso afinado com tudo que pregou aquele que nos
deixa - subta e tragicamente.

Bom, ruim, equivocado, exagerado, agitador, revolucionário, idealista, utópico,
reacionário, fundamentalista, polêmico, liberal, moderado, exaltado; PETISTA!
Os adjetivos dados a um Homem, justa ou injustamente, quando vivo não
traduzem ou nem mesmo simplificam a complexidade de uma vida vivida
na intensidade de quem ousou viver para a mudança.

Herói?
Não. Não acredito.
Vilão?
Não. Nem de longe.
Foi-se um cidadão brasileiro, corajoso, aguerrido profissional do Direito e
crente na justiça assim como um devoto da defesa pelo bem comum.

Sua História será lembrada e repensada, respeitada, e, por muitos ainda, questionada.
Esse que a truculência levou nunca foi e nunca será unanimidade, posto que
toda unanimidade é burra e ele, tal qual sonhador, era aguçado em saberes.
Mas em minha Itambé há um pensamento equânime, mesmo que único:
foi-se sonhador como viveu.

Marcilon Oliveira.

2 comentários:

M@ disse...

Olá amigo

Amigo não sei se é um desabafo...Mais as palavras foram profundas..Nosso Brasil é desenvolvido a custa da vida daqueles que tem a coragem de lutar por um ideal...Só através do sacrificio de um, que a sociedade acorda...
Vc sempre está anuciando e denunciando entre linhas ...
Parabéns

M@

Marcilon Oliveira disse...

Um desabafo...
É por aí, minha linda.

Trata-se de algo que quis escrever referente à morte de um Companheiro de Lutas que dedicou sua vida à Luta pela não-violência.

Beijo!